De onde vem o alimento que você come?

De onde vem o alimento que você come?

Conhecer a origem do que se consome é uma tendência cada vez mais consolidada.

Os consumidores estão mais exigentes, antenados e dispostos a comprar itens de marcas que aliam os negócios à sustentabilidade e ao bem-estar social.

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou faça uma DOAÇÃO

 

No setor de alimentação, essa preocupação com a origem e a forma como os alimentos são produzidos fica ainda mais acentuada e necessária.  Afinal, o alimento é nossa fonte de nutrição e está intrinsicamente ligado à nossa saúde.

A legislação brasileira que exige a rastreabilidade dos alimentos frescos, como legumes e frutas, é muito recente e ainda não é obrigatória para todos os itens. E é justamente essa rastreabilidade que garante a origem e a qualidade dos produtos ao longo de toda a cadeia.

Neste universo da origem dos alimentos e como são produzidos, os orgânicos nadam de braçada. Primeiro porque para se obter a certificação orgânica é necessário ter rastreabilidade e adotar um modelo de produção sustentável, que preserva o meio ambiente.

Segundo, e não menos importante, é que a rede de intermediários é mais curta.  Na maioria das vezes há apenas um intermediário entre o campo até a gondola dos supermercados, hortifrutis, feiras e deliveries de cestas orgânicas. Muitos produtores também são distribuidores e, para ampliar sua oferta de itens, compram o que não produzem de outros agricultores.

Na minha curta experiência com vendas, nas conversas que tenho com os meus clientes, fica explicita a importância que se dá a não estender essa cadeia. Os distribuidores, sejam eles apenas distribuidores ou também produtores, buscam adquirir os seus itens diretamente de quem os cultivou. O consumidor ganha em informação e qualidade, pois recebe alimentos mais frescos.

Mesmo com os produtos orgânicos industrializados há a preocupação com a origem do alimento e em manter a qualidade e as características de produtos naturais e saudáveis intrínsecas aos orgânicos. A produção geralmente segue o conceito “Clean Label”, que significa rótulo limpo. Ou seja, possuem apenas ingredientes que o consumidor consegue reconhecer, que teria em sua casa.

Um desses exemplos é a ÓRIGO, empresa que fabrica molho de tomate orgânico e que carrega a “origem”, do Latim, em seu nome.  O compromisso da marca é produzir alimentos de qualidade, acompanhados desde a origem até a mesa (rastreabilidade), baseado no comércio justo e na sustentabilidade.

laverani organicos 1 papo reto milena miziara minPara isso, a relação com seus fornecedores é muito próxima e transparente. “Temos um contrato de parceria com os produtores, onde antes do começo do jogo, são estabelecidas as regras e expectativas. A ideia é somar forças e ganhar juntos, fortalecendo todas os participantes da cadeia e garantindo um fruto de boa qualidade. Para nós sustentabilidade, além das questões relacionadas ao meio ambiente, também envolve relações comerciais sustentáveis”, explica Márcio Crippa, um dos fundadores da ÓRIGO.

Outro exemplo é a Jatobá Orgânicos, que fabrica molhos, temperos, antepastos e geleias com ingredientes cultivados no próprio sítio. A empresa nasceu em 1986, cultivando alimentos orgânicos para serem vendidos in natura e mantendo a tradição familiar da produção de conservas.  A produção foi evoluindo, aprimorando a qualidade e o processamento, mas mantém as características semiartesanal na elaboração dos produtos. A empresa cresceu, mas mantém suas raízes e comercializa seus produtos frescos e processados em feiras.

“Acredito que nossa participação pessoal em todos os processos é o diferencial da qualidade de nossos produtos. A maior parte da produção é vendida através de parceiros comerciais escolhidos a dedo, pois não trabalhamos com grandes redes de supermercados. E a presença em algumas feiras é muito importante para manter o laço humano nesta cadeia de produção de alimentos”, conta Luciano Gambarini, da Jatobá Orgânicos.

Essa relação de transparência é mais uma das vantagens dos orgânicos. Com algumas buscas na internet e em canais de mídias sociais é fácil encontrar as histórias das marcas e das pessoas que estão por trás da cadeia que movimenta os alimentos orgânicos.