Receita eleitoral

Estamos em meio ao processo do segundo turno da eleição e, para falar a verdade, ainda não tenho conhecimento concreto dos planos de governo dos dois candidatos à presidência. E isso se deve em muito a eles mesmos, pois em vez de usarem seu tempo midiático de campanha para explanar suas idéias eles focam na tal “desconstrução” da imagem do oponente.

Na gastronomia, também lidamos com a tal desconstrução. Na política ela se dá no processo de degradação e rebaixamento de imagem de certo candidato, por meio de acusações, ofensas e comparações, difundidas nas propagandas políticas na TV, nas páginas de internet e nas ondas do rádio.

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou faça uma DOAÇÃO

 

Já na cozinha, a utilizamos para dar uma nova versão a um prato típico, onde mudamos sua consistência, textura e aspecto visual, sem alterar o sabor. Para isso, usamos técnicas de cozinha e gastronomia molecular (ciência que estuda os alimentos), criando uma experiência única.

Um dos mais conhecidos pratos brasileiros, a feijoada, já foi agraciada com essa técnica.

No Restaurante Mani (36° melhor do mundo), por exemplo, a Chef Helena

Rizzo cria bolas de caldo da feijoada, por meio da esferificação. Como acompanhamento é servida a couve crispy, que nada mais é que a couve cortada finamente e frita, conferindo crocância ao prato.

Por fim, alguns outros elementos são adicionados ao prato configurando uma verdadeira feijoada, mas de forma desconstruída.

Na cozinha, são inúmeras as versões feitas através dessa téncica, os amantes dos pratos em suas versões originais, digamos assim. O mesmo vale para as bebidas clássicas.

Destaco aqui o sorbet de caipirinha, grande especialidade do Chef e professor de gastronomia Chris Stocovick que usa o nitrogênio líquido para reduzir tão rapidamente a temperatura que é possível solidificar o álcool presente no drink.

Infelizmente, diferentemente da gastronomia a desconstrução usada na política não agrega nenhum elemeno adicional à sociedade.

Muito pelo contrário. Empobrece o dialogo candidato-eleitor que, por falta de conhecimento e informação, acaba por ter de escolher entre aquele que lhe pareça ter a imagem “menos suja”, em vez do candidato que possui as melhores idéias e os melhores planos de governo.

Na quinta feira 9, recomeçou a propaganda política do segundo turno.

Mais do que nunca precisamos estar atentos às ideias e à forma de cada político se relacionar com o povo, pois essas atitudes funcionam como uma espécie de espelho de seus futuros governos.

Contudo, assim como a desconstrução gastronômica é regida pela ciência (razão) e tem a capacidade de tocar na emoção de quem prova os pratos e bebidas feitos com o uso desta técnica.

Por conta disso, acredito que a atitude no voto deverá também ser racional.

Maílson da Silva sempre foi um ótimo aluno em matemática e física. Por isso todos achavam que esse paulistano iria seguir os passos de Bill Gates e Steve Jobs. Ele também. Tanto que cursou Mecânica de Produção na Fatec-SP. Mas como sua real vocação sempre foi viver entre caçarolas, panelas e o forno, um dia Maílson largou tudo e foi estudar gastronomia na Hotec (SP). Hoje, trabalha no restaurante do flat George V Residence, se tornou um pesquisador de receitas e, acima de tudo, um defensor intransigente da Baixa Gastronomia