Elas colocaram o homem na cozinha

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: ANUNCIE ou faça uma DOAÇÃO

 

A cozinha deixou de ser coisa de mulher. Que bom, tomara que isso ajude a incentivar uma melhor divisão das tarefas domésticas entre homens e mulheresOfélia, Palmirinha, Julia Child, Ana Maria Braga (na foto acima, a partir da esq., em sentido horário) são algumas das culinaristas que ajudaram a criar um verdadeiro exército de cozinheiras e cozinheiros com suas receitas e um jeito maternal de ensinar a arte de cozinhar em casa. A revolução foi silenciosa, sutil e eficaz. Numa época em que cozinhar em casa era “coisa de mulher”, envolver a atenção das crianças numa cozinha, foi um jeito sagaz de driblar e lutar contra essa cultura machista propagada no lar. A educação é o melhor jeito de combater os problemas sociais. Fato é que cresci assistindo Ana Maria e seu fiel escudeiro Louro José, e a cada receita aprendida a vontade de reproduzir ficava cada vez maior. Como eu não tinha condições de comprar a maioria dos ingredientes, pegava a comida que já estava pronta, misturava tudo na panela, retemperava e...Voilá! Ali estava minha receita “imaginária”, inspirada nas aulas da TV. Pois bem, os anos foram passando e acabei me envolvendo com a cozinha profissional. Fiz cursos, trabalhei em diversos restaurantes e fui até finalista de reality show de gastronomia. Grande parte dessa minha trajetória pode ser creditada ao fato de eu ter sido influenciado por essas mulheres inspiradoras. Hoje em dia, com o glamour da profissão de chef de cozinha e o advento do YouTube, com seus diversos canais sobre gastronomia, os homens já não são freados pela máxima “coisa de mulher”, quando o assunto é cozinha. E grande parte dessa mudança começou lá atrás, exatamente com as culinaristas. Ainda temos um longo caminho a percorrer para construir uma sociedade na qual vigore a igualdade de gênero, de fato. Acredito que a divisão de tarefas no lar possa ser um grande passo neste sentido. Por isso escrevo esse texto reverenciando todas as mulheres guerreiras que travam batalhas importantes, muitas vezes de forma silenciosa.