As meninas da Mooca

summit

Quem são: Adriana Zveibil e Veronica Cassavia Diogo
Por que são importantes: Criaram o Movimento Mooca Verde para lutar pela revitalização sustentável do tradicional bairro paulistano

A busca por uma vida mais saudável e cercada de verde se tornou objeto do desejo de muitas pessoas que vivem em grandes cidades. Por conta disso, inúmeras famílias começaram a trocar a agitação de bairros badalados e da região central de cidades como Rio de Janeiro e São Paulo por bairros planejados em áreas mais afastadas. A portenha Adriana Zveibil e a paulistana Veronica Cassavia Diogo decidiram ir contra a corrente. Moradoras do tradicionalíssimo bairro da Mooca, na zona leste da capital de São Paulo, em vez de "correr atrás do verde", eles resolveram arregaçar as mangas para tentar mudar, para melhor, o lugar onde decidiram criar seus filhos.

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou faça uma DOAÇÃO

 

Foi assim que nasceu o Movimento Mooca Verde, uma iniciativa de Adriana, que hoje se considera uma legítima integrante da República da Mooca, e que ganhou a adesão da moquense Veronica. O trabalho, iniciado em abril de 2012, vem gerando inúmeros frutos. O primeiro deles foi o despertar da consciência ambiental dos moradores.

Adriana conta que desde que se mudou para o bairro sentia que algo a incomodava. Um dia, descobriu que o desconforto se devia aos longos trechos nos quais tinha de caminhar sem contar com a sombra de uma árvore sequer. Esta constatação prosaica foi o estopim para a criação da ONG. "Percebi que ficava cansada ao caminhar pequenos trechos", recorda.

O movimento começou tendo por bandeira transformar em um parque a área de 100 mil metros quadrados onde funcionou uma unidade da Esso (cujos ativos foram comprados pela paulista Cosan). A queda de braço com a construtora São José, que comprou o terreno e pretende instalar ali um mega condomínio residencial, acabou servindo de catalisador para que os demais moradores do bairro operário, de colonização italiana, despertassem sua consciência ambiental.

Hoje, as meninas do Mooca Verde são reconhecidas como interlocutoras qualificadas junto ao poder público e privado quando o assunto é preservação ambiental.

Além de participar das atividades da ONG, desde o ano passado Adriana atua no Conselho Regional do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Mooca (Cades). Em evento realizado em 2013, no bairro, as duas foram convidadas pelo governador de São Paulo, Gerado Alckmin (PSDB), para a cerimônia de implantação de um parque numa área de 22 mil metros quadrados numa antiga área da Sabesp.

Apesar desta vitória, as Meninas da Mooca querem mais. Por meio da pressão popular, o Movimento Mooca Verde conseguiu que a Câmara dos Vereadores incluísse a área da Cosan como Zepam (Zona Prioritária para Implantação de Área Verde). Além disso, tramita um projeto da vereadora Juliana Cardoso (PT) para criação do parque que conta com a simpatia de integrantes das bancadas do PSDB e do PV.

Para Adriana e Veronica, mais que lutar pelo presente, o importante é fazer com que a semente da responsabilidade socioambiental floresça e se mantenha viva no bairro. Para isso, elas criaram o projeto Galerinha Verde, que tem por objetivo a conscientização ambiental de estudantes do ensino fundamental do ensino público e privado.

O Mooca Verde também conta com uma programação de eventos, como debates sobre a criação do parque, e iniciativas para sensibilização como a feira anual de troca de brinquedos. "O consumo excessivo é um dos grandes vilões do meio ambiente", destaca Veronica.