Projeto Cozinha&Voz forma profissionais trans

Projeto Cozinha&Voz forma profissionais trans

Com apoio da chefe de cozinha Paola Carosella, da Casa Poema e do UNAIDS, projeto assegurou a capacitação profissional contínua de homens e mulheres transexuais com método de aulas online em meio à pandemia.

Três turmas, 170 alunos e alunas seis estados e do Distrito Federal, 643 horas/aula de música, poesia, dança e gastronomia, 108 horas de orientação profissional e 335 horas de palestras com analistas do Sebrae e especialistas, entre eles, mais de 10 representantes do Ministério Público do Trabalho (MPT).

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou faça uma DOAÇÃO

 

Os números têm importância, mas contam apenas parte do êxito do projeto Cozinha&Voz em seguir promovendo capacitação contínua de grupos populacionais vulneráveis, apesar das restrições de mobilidade e do isolamento social adotados por causa da pandemia de COVID-19. Criado em 2017 pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e pelo MPT, com apoio da Casa Poema e da chefe de cozinha Paola Carosella, o projeto capacita profissionais como assistente de cozinha e promove a empregabilidade de pessoas em situação de exclusão socioeconômica.

 

A chef Paola, de preto, com aluna do curso, em Campo Grande (MS)

O Cozinha&Voz está estruturado em dois componentes. O componente “Cozinha” conta com a coordenação técnica de Paola Carosella e com o apoio de Neide Rigo e Fernanda Cunha e centra-se nas aptidões básicas requeridas para o trabalho em uma cozinha de restaurante. Coordenado pela atriz e poeta Elisa Lucinda e pela atriz e diretora Geovana Pires, o componente “Voz” é composto por oficinas, nas quais alunos e alunas, por meio da poesia, desenvolvem e aperfeiçoam a inteligência emocional e a comunicação interpessoal para aprender a se comunicar em qualquer contexto profissional, de uma entrevista de emprego a uma apresentação em público.

Os cursos presenciais contam com o apoio de organizações de empregadores, como a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

 Cozinha&Voz Web

Com o início da pandemia em 2020, a OIT e o MPT adotaram uma estratégia digital para o projeto com o objetivo de auxiliar e manter a preparação profissional de uma população extremamente vulnerável: homens e mulheres transexuais de diversas profissões, que como muitas pessoas, tiveram a renda do trabalho reduzida. O programa do curso presencial foi adaptado para as aulas online, ministradas por meio de uma ferramenta de videoconferência, com conversas virtuais e outras alternativas de conexão. Cada participante recebe uma bolsa de R$ 500 mensais, durante o período do curso, com a contrapartida de participar dos cursos e permanecer em isolamento. Assim, surgiu o Cozinha&Voz Web, que ganhou o apoio da UNAIDS Brasil.

“O Cozinha&Voz Web une histórias e ritmos da cozinha e a voz costurada na poesia e acolhimento por meio de um portal virtual, mas muito verdadeiro, que vai continuar somando pessoas, histórias e possibilidades”, disse a chefe de cozinha Paola Carosella.

A primeira turma começou em abril, com 50 homens e mulheres transexuais de Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás e Rondônia. Como a maioria da turma nunca havia acessado plataformas digitais pelo telefone celular para estudar online ou participar de reuniões, os quatro meses de aulas diárias foram um período de aprendizado e desafios para coordenadores e alunos(as).

“O maior ganho do projeto em 2020 foi ver o trabalho se desenvolvendo junto com os alunes, ouvir e ao mesmo tempo fazê-los compreender as regras necessárias. Uma das maiores satisfações foi, principalmente, ver a equipe com mais pessoas trans na liderança do curso”, disse a coordenadora-geral do projeto, Geovana Pires.

Além das aulas de música, poesia, dança e cozinha e de orientação profissional, uma parceria com o Sebrae foi selada para levar um currículo de cursos online gratuitos sobre empreendedorismo e palestras para a sala de aula virtual. Foi criado o módulo “Troca de Saberes”, no qual alunas e alunos compartilham um conhecimento específico, e representantes do MPT e especialistas ministraram palestras sobre os mais diferentes temas: de mercado de trabalho para a população LGBTQI+ e orientação sobre Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) a formas de denunciar o preconceito.

“Na condição de pessoa trans, margeando invisibilidade dentro de um sistema sexista, que nos afasta como indivíduo, o Cozinha&Voz em 2020 propôs exatamente o contrário e esses encontros não só nos deram chance de capacitação e inclusão, como nos acolheram de maneira humana”, disse Luca Andrade, 37 anos, ex-aluno do curso. Na opinião da atriz, poetisa e coordenadora pedagógica do projeto, Elisa Lucinda, 2020 foi um momento de transformar o projeto em algo maior ainda.

“Foi o limão de uma só banda do qual fizemos uma grande limonada. Descobrimos que o Cozinha&Voz não só era possível na pandemia, como seu alcance se ampliaria em meio a este caos. Seu impacto social de redução de danos na população trans foi mais transformador e humano ainda. A poesia, a arte de dizer, de cantar, de dançar e de cozinhar confirmaram a arte como salvadora das pátrias. A força da arte na redução da desigualdade foi e é um sol que brilha enquanto a chuva cai”, disse ela.

O Cozinha&Voz web deu tão certo que a segunda turma começou em junho, também com 50 pessoas transexuais, de São Paulo, Distrito Federal e Espírito Santo. A terceira teve início em novembro, com 70 homens e mulheres trans de Rondônia, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul, e conta ainda com 10 ex-alunos(as) contratados como monitores.

 Reinvenção, resiliência e preparação para 2021

Foto: OIT

"Foi preciso nos reinventar no ano de 2020 para manter os projetos de capacitação e inclusão de pessoas trans na modalidade online. Em 2021, temos o objetivo de expandir o projeto, beneficiar mais pessoas e contribuir para o combate à discriminação nas relações de trabalho", disse Sofia Vilela, procuradora do MPT e gerente do projeto de Empregabilidade para a População LGBTQI+, do Ministério Público do Trabalho.

 “O formato online foi testado, ajustado e bem-sucedido ao longo de 2020. Alunes e a coordenação do curso aprenderam juntes com os desafios e as oportunidades como executar em meio à pandemia. Agora, o resultado nos mostra que podemos utilizar o curso virtual para, no futuro, fazer a capacitação do Cozinha&Voz chegar às pessoas em pontos remotos do país e, quem sabe, compartilhar a experiência com outros países”, disse Thaís Faria, oficial técnica de princípios e direitos fundamentais no trabalho, da OIT.

 

Leia a íntegra da reportagem da ONU Brasil, aqui.