Cacau mais sustentável no sul da Bahia

Cacau mais sustentável no sul da Bahia

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas e a Organização para a Conservação da Terra (OCT), entidade que atua sul do estado da Bahia, acabam de anunciar mais uma edição do projeto CompensAÇÃO: Promoção de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) para cadeias produtivas livres de desmatamento no Brasil. A iniciativa prevê investimento conjunto no valor de US$ 4,9 milhões que serão bancados pelo FIDA e a República Federal da Alemanha, na Mata Atlântica.

Trata-se de um dos mais ameaçados pelo desmatamento, no Brasil. Atualmente, cerca de 88% da cobertura florestal original da Mata Atlântica foi perdida e 24% das espécies nativas de plantas e animais estão em risco de extinção. A degradação também é social, uma vez que 46,5% dos moradores da região vivem em situação de pobreza, quanto 15,8% estão na pobreza extrema, de acordo com dados de 2021. Trata-se do maior patamar em nove anos.

O principal objetivo do CompensAÇÃO é estabelecer condições favoráveis para promover uma transição agroflorestal nas áreas produtoras de cacau. Esse processo visa aumentar a resiliência climática e os benefícios econômicos e, ao mesmo tempo, mitigar a degradação florestal e o desmatamento na Região Cacaueira. O pagamento aos produtores pelos serviços ecossistêmicos consistirá em insumos para reflorestamento, além de recursos financeiros.

O projeto é parte de uma iniciativa mais ampla financiado, pelo governo alemão por meio do Programa de Adaptação para Agricultura de Pequenos Produtores (ASAP+) do FIDA, que é implementado, também, em mais dois países africanos: Lesoto e Etiópia.

"A República Federal da Alemanha e o FIDA compartilham o objetivo de promover a segurança alimentar e a resiliência de pessoas socialmente vulneráveis em áreas rurais. Acreditamos que os produtores rurais de todo o mundo, especialmente os pequenos agricultores dos países em desenvolvimento, devem ser adequadamente remunerados por todos os serviços que prestam. Entre outras iniciativas, são necessários programas de incentivo. A Alemanha tem o prazer de poder apoiar um deles", disse a embaixadora da Alemanha no Brasil, Bettina Cadenbach.

O diretor do FIDA no Brasil, Claus Reiner, observou que o CompensAÇÃO abrangerá o desenvolvimento e a implementação de esquemas de Pagamentos por Serviços Ambientais, entrelaçando princípios ecológicos que conservam a fertilidade do solo e restauram diversos serviços ecossistêmicos. Além disso, as atividades se estenderão ao apoio às políticas municipais e regionais de PSA, fortalecendo os arranjos institucionais por meio de processos participativos de governança.

"Os PSA monetários e não monetários representam uma combinação inteligente de renda que contribui para melhorar a segurança alimentar e aprimorar os serviços ecossistêmicos, além de promover a mitigação e adaptação às mudanças climáticas. A geração de renda sustentável fortalece o incentivo para que as famílias mantenham as atividades e preservem os recursos naturais", disse a oficial de programas do FIDA para o Brasil, Cintia Guzman.

Na última década, o FIDA e o governo brasileiro, juntamente com uma ampla rede de parceiros globais, investiram US$ 453 milhões em seis projetos na região Nordeste do país, apoiando 941.000 pessoas. O novo portfólio de projetos no país, atualmente em preparação, prevê oito novos projetos voltados para 2,1 milhões de pessoas, totalizando US$ 900 milhões ou R$ 4,4 bilhões.

*Com informações da ONU Brasil. Veja o texto original aqui