Beleza de R$ 1 bilhão

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: ANUNCIE ou faça uma DOAÇÃO

 

Quem são: Heloisa Assis (Zica) e Leila Velez

Por que são importantes: a partir da ideia de valorização da beleza e da autoestima das mulheres negras, elas criaram a primeira empresa comandada por afrobrasileiras com chances de entrar no clube do bilhão

A personalidade das sócias da Beleza Natural, Heloisa Assis e Leila Velez, é complementar. Enquanto a primeira, mais conhecida como Zica, tem um jeito expansivo e simples de enxergar o mundo e se relacionar com as pessoas, sua sócia, Leila possui os trejeitos típicos das super executivas . A começar pelo discurso sempre recheado de expressões como "plano de negócios", "retorno sobre o investimento", "planilhas de crescimento" etc. Essa química, aliás, foi decisiva para transformar uma iniciativa artesanal, no início da década de 1990, em uma verdadeira potência.

Não apenas do ponto de vista empresarial, mas principalmente como referência de empresa que enxerga valor na promoção da autoestima de um contingente duplamente massacrado: as mulheres afrobrasileiras que, muitas vezes, têm dificuldade para conseguir emprego por conta do preconceito envolvendo a cor da pele ou estilo do cabelo. Aliás, o surgimento da Beleza Natural se deu neste contexto.

A então faxineira Zica recebeu "um toque" de uma cliente de que, "caso domasse as madeixas" poderia ter ampliadas as chances de conseguir mais diárias, especialmente nas casas de madames da Zona Sul do Rio.  Menos por se deixar levar pela proposta indecente, e mais pela vontade de se impor por sua "beleza natural", Zica passou a pesquisar formas de "domar" seus cachos. Como os fabricantes de cosméticos e produtos de higiene e beleza desprezavam essa fatia do mercado consumidor, ao não investir em produtos específicos para as características de cabelos e da pele negra, Zica resolveu inventar. Fez cursos de qualificação na área e foi desenvolvendo fórmulas por conta própria.

A empresa nasceu em um quarto situado nos fundos de um salão no bairro da Muda, na Zona Norte do Rio de Janeiro, onde as alquimias intuitivas boladas pela dupla eram testadas na própria Zica. "Mais que um negócio nosso trabalho é mostrar às mulheres que elas podem ser bonitas e vencedoras, valorizando suas características", explica Zica. O trabalho foi evoluindo e ganhando um perfil cada vez mais profissional, graças ao tino comercial da sócia Leila. É que além do trabalho no salão improvisado ela apostou também em uma carreira paralela, na área de fast food. Aos 16 anos, ela já ocupava o cargo de gerente de loja do McDonald´s.

Esta experiência, somada a dezenas de cursos que frequentou, no Brasil e no exterior, lhe ajudaram a colocar o sonho da amiga em uma outra dimensão. "Copiei as melhores práticas do mundo do fast food, a começar pela padronização e a aposta na qualidade, para fortalecer nossa empresa", conta Leila. Com isso, elas conseguiram superar uma barreira recorrente a muitos empreendedores brasileiros que, mesmo munidos de boa vontade, capacidade de trabalho e uma boa ideia, não conseguem ganhar escala e musculatura.

Em 2013, o fundo de investimentos GP injetou R$ 70 milhões para assumir uma fatia de 33% do negócio. Por conta disso, a expectativa é que a Beleza Natural encerre 2018 como a primeira empresa comandada por afrodescentes, no Brasil, a atingir a marca de R$ 1 bilhão em faturamento. Os planos levam em conta o sucesso de produto e o modelo de negócio no qual mais que vender um produto, a empresa atua como alavanca para a autoestima das clientes.