Será o fim dos telecentros em SP?

“Prefeitura de São Paulo. Fazendo o que precisa ser feito.” É com esse lema da gestão do município de São Paulo que colocarei uma questão vivida de perto. No último dia 4 de abril, aconteceu uma manifestação de funcionários (e nessa me incluo) dos telecentros em frente ao prédio da Prefeitura de São Paulo. Os telecentros são frutos de um programa de inclusão digital que nasceu em 2001 durante a gestão Marta Suplicy.

O foco do programa é, ou era, incluir digitalmente as pessoas que estavam em regiões de vulnerabilidade social, para que, além de participar de cursos e oficinas, também tivessem acesso à internet gratuitamente e a impressões de documentos quando necessário.

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou faça uma DOAÇÃO

 

O estopim deste dia se deveu ao fato da não renovação de contrato com a empresa IDORT – SP junto à prefeitura, por motivos burocráticos. Sendo assim, todos os telecentros foram fechados de forma inesperada, prejudicando uma boa parcela da população que necessitava desses serviços prestados.

Já não bastando o fechamento, ocorreu o receio de todos os colaboradores em saberem se seus direitos trabalhistas estariam garantidos. Segundo a prefeitura, só seria repassada a verba após a regularização de documentos por parte da empresa IDORT – SP. Com todos esses encaminhamentos e a nossa angústia aumentando, a data de 4 de abril foi de um ato cívico, aliás, eu nunca havia participado da maneira como foi: com apitos, cornetas, cartazes e vozes que gritavam por seus direitos.

O resultado disso foi satisfatório, em parte. Não se sabe ao certo qual serão os rumos que a Prefeitura e a Coordenadoria de Conectividade e Convergência Digital darão aos Telecentros.

Particularmente, nesses anos todos que pude estar perto e dentro do programa, sei o quanto faz falta para os moradores desses lugares um Telecentro. Lá, eles faziam seus cursos, oficinas, currículos, procuravam empregos, usando suas redes sociais.

Isso sem falar das crianças que não têm computador em suas casas, estas estão sem mais uma ferramenta tanto de diversão como também para estudos e pesquisas escolares.

Então, é com pesar que digo que a nossa prefeitura (alô, prefeito Haddad, secretário Simão Pedro!) está fazendo uma exclusão digital. Pois mesmo que digam que existem as tais praças digitais, a função social que os Telecentros têm, ou tinham, é incomparável.

Além do ensino do manuseio de ferramentas básicas do mundo digital, o fator fundamental era a questão de valorizar o munícipe e trazer de volta um pouco de sua autoestima. Fazendo com que ele se sentisse um cidadão que percebe o seu imposto pago tendo algum retorno.

Espero que um dia os Telecentros possam voltar…Mas, vem cá, voltando ao lema: “Prefeitura de São Paulo. Fazendo o que precisa ser feito.” Exclusão Digital?

Boa semana a todos!

Rodrigo Garcia é designer gráfico e arte-educador.

O que o move no mundo é a possibilidade de ver a arte, seja ela em grafite, ilustração ou em tela