A Tríon, health tech de Brasília, se engaja no combate ao COVID-19

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: ANUNCIE ou faça uma DOAÇÃO

 

É crescente o número de profissionais de saúde infectados com o COVID-19. Em diversas situações, a contaminação ocorre por falta de materiais de proteção. Foi pensando no bem-estar de médicos, dentistas, enfermeiros e assistentes que a Tríon Centro de Planejamento 3D, health tech baseada em Brasília e especializada no segmento de odontologia, decidiu se aliar aos esforços de combate à pandemia. Isso é feito por meio da abertura do código-fonte para produção, em impressoras 3D, do ClipShield.

De acordo com Henrique Tostes (na foto que abre essa reportagem), fundador e CEO da Tríon, trata-se de uma pequena peça que ao ser encaixada ao óculos de proteção garante conforto ao usuário evitando os incômodos gerados pelo uso prolongado – como dor de cabeça, uma queixa frequente dos profissionais.

Pelas contas do empreendedor, profissionais de diversas partes do mundo já baixaram o download e imprimiram o ClipShield. A lista inclui países como Argentina, Estados Unidos, México, República Dominicana (nas Américas), além de Espanha, Portugal e Romênia (na Europa).

Mais. Além de ter aberto o código para produção do ClipShield, a empresa lançou uma versão completa do EPI (Equipamento de Proteção Individual), com viseira de acetato (foto), e cuja comercialização se dá a partir da lógica da doação participativa. “A cada equipamento adquirido por um dentista nós doamos outro para profissionais da rede pública de saúde do Distrito Federal”, destaca ele. A campanha está no site Vakinha e já obteve a adesão de 58 pessoas.

Equipamento desenvolvido pela health tech Tríon, de BrasíliaA Tríon surgiu no final de 2018, de olho no avanço do uso da tecnologia no segmento odontológico. Graduado em engenharia de produção e especializado em bioengenharia, Henrique levou quatro anos desenvolvendo o projeto que daria origem à empresa. Neste período, atuou em empresas de prótese dentária em Jaú (SP) e em Curitiba, até se transferir para a capital federal, em 2018.

Desde então, começou a se especializar no desenho de softwares para design 3D. “Estava procurando um espaço para ministrar o curso e ao falar do projeto com Oswaldo Henrique, ele se dispôs a investir no negócio.” Quem juntou a dupla foram as esposas de ambos, que atuam na área de odontologia e haviam se conhecido ao longo do curso de mestrado e doutorado.

Apesar do abalo econômico e social gerado pelos efeitos do COVID-19, Henrique enxerga um grande futuro no horizonte da Tríon. Segundo ele, o principal diferencial da empresa é sua capacidade de entregar produtos sob medida para cada paciente. O portfólio inclui moldes 3D para guiar o trabalho de cirurgiões dentistas na realização de implantes dentários e outras intervenções mais delicadas, envolvendo a reconstrução facial. “A tecnologia estará cada vez mais presente no dia a dia dos profissionais de saúde, exatamente como já acontece nos Estados Unidos e na Europa”, aposta.

Importante: o CEO da Tríon alerta sobre a ação de criminosos que estão baixando o programa e fabricando os ClipShields com a intenção de vendê-lo. “Infelizmente ainda temos de conviver com a ação de pessoas inescrupulosas”, lamenta.