Grafites celebram 20 anos da Conferência de Durban

Grafites celebram 20 anos da Conferência de Durban

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: ANUNCIE ou faça uma DOAÇÃO

 

No mês em que se celebra Novembro negro e o Dia da Consciência Negra, três oficinas de grafite foram realizadas em Recife (PE) e Salvador (BA) para sensibilizar a sociedade sobre a importância do enfrentamento ao racismo e da Conferência de Durban, que em 2021 completa 20 anos.

Utilizando a arte como veículo de expressão, jovens da periferia escolhidos para a ação passaram por capacitações sobre arte urbana e Durban, durante as quais ampliaram seus conhecimentos sobre os impactos  da conferência e as contribuições sociais, históricas, políticas e econômicas da população negra. No fim das oficinas, um mural em cada um dos três territórios (um em Recife e dois em Salvador, nos bairros de Aquibadã e Tancredo Neves/Beiru) foi grafitado com o tema de Durban.

O projeto  “As Cores e Vozes da Periferia e os 20 anos de Durban” é realizado em parceria entre o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e forma parte da Estratégia Vidas Negras de responsabilidade do Sistema ONU Brasil. Em março deste ano, o projeto já havia promovido uma batalha poética virtual, chamada de slam, também com foco prioritário nas juventudes negras.

Grafites celebra 20 anos da Conferencia de Durban 1 Papo RetoDurban+20

Na Conferência de Durban, realizada na África do Sul, governos de 173 países reconheceram a perversidade do racismo e da discriminação, assim como os impactos do tráfico transatlântico de pessoas escravizadas, e se comprometeram com uma agenda internacional de ação com envolvimento ativo da sociedade civil.

Várias iniciativas no Brasil foram reflexos diretos de Durban, como o Estatuto da Igualdade Racial, a inclusão do critério raça e cor no Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) e a instituição de cotas raciais em concursos e universidades públicas. Vinte anos depois, contudo, o racismo ainda é uma realidade que limita o acesso da população negra a oportunidades e que coloca, inclusive, a vida da juventude negra em risco.

Segundo a representante auxiliar do Fundo de População da ONU, Júnia Quiroga, ações como as oficinas de grafite dão visibilidade à arte das pessoas afrodescendentes e promovem importantes reflexões sobre o enfrentamento ao racismo, além de ocuparem os territórios com beleza e arte.

“É importante notar que muitas das pessoas jovens que participam destas ações nasceram depois da Conferência de Durban. Eles e elas puderam vivenciar muitos dos avanços que foram possíveis por conta da conferência e são fundamentais para que o progresso continue. Somente com a participação da juventude será possível estabelecer novos caminhos e influenciar o debate público sobre a importância do enfrentamento ao racismo”, afirma.

Ao total, as três oficinas reuniram cerca de 60  jovens. Em Recife, a ação recebeu apoio da Secretaria Executiva de Juventude de Recife e do Coletivo Ibura Mais Cultura. Em Salvador, a iniciativa contou com a parceria local do Programa Corra para o Abraço, da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social do Estado da Bahia, da Secretaria de Promoção de Igualdade Social do Estado da Bahia e da Secretaria Municipal de Reparação Social de Salvador.

 

Fonte: ONU Brasil