Imagens que valem por muitas palavras

Imagens que valem por muitas palavras

A história da Humanidade pode ser contada a partir de descobertas e invenções.

O domínio do fogo, por exemplo, é considerado o primeiro marco na trajetória do homo erectus. Na idade moderna, coube a fotografia o papel de abrir novas possibilidades e ampliar os horizontes. O primeiro registro fotográfico foi feito pelo daguerreótipo, concebido por Louis Jacques Mandé Daguerre (1787-1851), tendo como base os estudos feitos pelo sócio Joseph Nicéphore Niépce (1765-1833). Desde 1839, o mundo começou a registrar, em tempo real, os fatos do dia a dia, desde os mais banais até os acontecimentos históricos.

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou faça uma DOAÇÃO

 

Mais que apenas complementar o registro oral, a fotografia permitiu que as sociedades imortalizassem momentos, de uma forma mais acessível. Também possibilitou que o jornalismo ganhasse um peso ainda maior, em seu papel de denunciar injustiças. A imagem da pequena Kim Puhc* correndo nua, após um ataque de napalm realizado pela aviação americana, por certo, ajudou a minar o discurso oficial do governo dos Estados Unidos em relação ao seu papel na guerra do Vietnã.

E é nesse contexto educativo que o paulistano João Kulcsár (à direita, na foto que abre esse texto) gosta de enxergar a fotografia. Graduado em engenharia, ele tinha a fotografia por hobby, até fazer dela sua principal atividade produtiva. Mas, aqui, é preciso destacar o sentido que ele imprime a este ofício. “Não sou fotógrafo. Mas alguém que usa a fotografia para debater os direitos humanos e os princípios da sustentabilidade ambiental”, diz.

Esta vertente batizada por ele de Alfabetização Visual, tem sido desenvolvida em diversos ambientes pelos quais ele transitou como educador e curador de fotografia. Tanto no exterior (Harvard University, Alta Scuola Pedagogica di Locarno e Instituto Português de Fotografia) quanto por aqui (Fundação Julita, entidade que atua na empobrecida Zona Sul, da cidade de São Paulo; a Febem e o Senac-SP).

“Na Febem, eu usava a fotografia como uma ferramenta de `alfabetização visual´ dos jovens, tentando desenvolver sua consciência crítica em relação ao mundo”.

Desde 2018, João vem se dedicando a outro projeto de fôlego e que conecta as duas vertentes que o fascinam: direitos humanos e sustentabilidade. Trata-se do Festival de Fotografia de Paranapiacaba. A exposição acontece na vila no município de Santo André, que abrigou trabalhadores da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, responsável pelo escoamento do café até o Porto de Santos.

ISIS MEDEIROS Imagens que valem por muitas palavras 1 papo retoÍndio pataxó diante do rio Doce / Foto: Isis MedeirosIranduba  Amazonas 25 10 2010 RECORDE VAZANTE- SECA AMAZONAS. Barco  no meio do leito rio seco em frente a cidade de Manaus, o rio Negro sofreu a maior vazante da história. A série "Uma certa Amazônia" realizada durante a primeira década do século  21, quando os eventos extremos de cheia e vazante na Amazônia revelaram que algo de muito errado está acontecendo com o clima do planeta. Mudanças cada vez mais drásticas no regime das águas da bacia dos rios Negro e Solimões provocaram impactos como a fome, sede, doenças e mortandade de animais. O cotidiano das populações tradicionais e a paisagem amazônica mudaram definitivamente. Uma situação de extremos, onde as vazantes estão, a cada ano, se transformando em catástrofes e as cheias mostrando-se cada vez mais trágicas. Este cenário que a cada vez mais perde áreas de florestas para o agronégocio, principalmente  as plantações de soja e milho, assim como a criação de gado, além da pressão sofrida pela industria madereira em áreas de preservação permanente e também em terras indígenas, além  da exploração mineral e a ameaça pelas grandes obras de infra-estrutura do governo brasileiro fazem da Amazônia um dos ecossistemas mais frágeis perante a ação do homem.Vazante das águas em Manaus / Foto: Alberto Cesar Araujo (Agência Amazônia Real)

No ano passado, por conta da pandemia, o Festival foi realizado em formato de lives, contando com fotógrafos de diversas partes do Brasil e representantes de diversos recortes étnicos. Parte do acervo da exposição Estado da Água pode ser vista, até 30 de junho, no metrô Estação da Luz, na região central de São Paulo. O Festival também disponibiliza em seu site a mostra online. Aproveite o passeio virtual para curtir os detalhes das fotografias.

Para este ano, o veterano fotógrafo e educador tem planos ainda mais ambiciosos para o Festival. Além de manter o cronograma de lives, nas quais apresenta iniciativas educacionais tendo como a Alfabetização Visual, João vai levar algumas imagens para uma exposição em Paris. “A mostra coletiva será aberta no dia 26 de setembro, quando se comemora o Dia Mundial dos Rios”, conta.

Sem dúvida, às vezes uma imagem vale mais que mil palavras!

 

*No player de vídeo do portal 1 Papo Reto, em no homepage, é possível assistir à reportagem sobre a foto de Kim Puhc, que rendeu o prêmio Pulitzer para o fotógrafo vietnamita Nick Ut.