UNESCO quer empregar 1 milhão de jovens

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: ANUNCIE ou faça uma DOAÇÃO

 

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) lançou no mês passado a Academia Mundial de Habilidades, cujo objetivo é apoiar a empregabilidade e as habilidades de resiliência de 1 milhão de jovens no mundo todo. Os cursos online também visam ajudá-los a encontrar trabalho durante a recessão iminente, quando as perspectivas de emprego dos jovens parecem sombrias.

Os membros da Coalizão Global de Educação da UNESCO, lançada em março para apoiar os países a desenvolver soluções inclusivas de aprendizagem, estão se unindo para oferecer aos jovens oportunidades de adquirir habilidades digitais e outras competências por meio do acesso gratuito a programas de desenvolvimento de habilidades online.

As ofertas dos parceiros serão agrupadas na Academia Mundial de Habilidades, de modo a fornecer um acesso único às oportunidades de treinamento.

Contribuirão para o projeto os parceiros fundadores, incluindo Coursera, Dior, Festo, Huawei, IBM, Microsoft, Orange Digital Centers e PIX, além de organizações internacionais e outros parceiros, como Organização Internacional do Trabalho (OIT), Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e o Torneio Internacional de Educação Profissional.

A Academia funcionará por meio de um processo de correspondência coordenado pelo Centro UNESCO-UNEVOC, a rede mundial da UNESCO para instituições especializadas em educação técnica e vocacional.

As informações detalhadas sobre os treinamentos disponíveis serão compartilhadas com os 250 Centros UNESCO-UNEVOC, em mais de 160 Estados-membros.

Os Centros identificarão os participantes interessados e os conectarão às plataformas de treinamento dos membros da Coalizão. Uma prioridade será alcançar os estudantes desfavorecidos.

“A crise destacou a urgência de dotar os jovens com as habilidades certas para acelerar a transição para economias mais inclusivas, sustentáveis e resilientes”, disse Stefania Giannini, diretora-geral adjunta de Educação da UNESCO.

“Isso requer um investimento maciço em educação e capacitação, bem como parcerias ampliadas com os empregadores para reduzir a distância entre a demanda por habilidades e os locais de trabalho.”

O impacto da pandemia na educação e no emprego tem sido dramático. Os estudantes matriculados em instituições de treinamento e os aprendizes foram particularmente afetados pelo fechamento dessas instituições, pois são mais dependentes do treinamento prático e do acesso a máquinas e equipamentos (hardware), disponíveis apenas em centros de treinamento e locais de trabalho. Habilidades em áreas como análise de dados, computação em nuvem, inteligência artificial e aprendizado de máquina são procuradas nos mercados de trabalho em todo o mundo, mas muitos sistemas de educação e treinamento carecem das capacidades necessárias para preparar os jovens para o emprego nessas áreas.

Lei texto completo aqui