A terra nas mãos da agro-família

A terra nas mãos da agro-família

Quem tem contato com a terra, mesmo que em uma pequena horta caseira, sabe. Se cultivada, dela brota alimento, brota fartura.

Soa poético e virou mesmo poesia nos versos de Cio da Terra, de Chico Buarque: Cio da terra a propícia estação, e fecundar o chão (…) forjar no trigo o milagre o pão, e se fartar de pão.

É lindo, mas não é fácil. Exige trabalho árduo. Para quem faz da terra o seu ganha pão é necessário, além de conhecer as técnicas de cultivo, saber gerir a atividade como negócio e ainda colocar seus produtos no mercado.

projeto agro familia 1 papo reto 585x780Maria Cristina (à esq.), agricultora, e Flaviane, consultora do SebraeAtento à essas necessidades de pequenos agricultores o Sebrae de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, criou o Agro-família. Desenvolvido em parceria com o Senar – SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), o projeto trabalha na capacitação de produtores rurais em técnicas de manejo orgânico, gestão do negócio e acesso ao mercado.

Eu faço parte do projeto e ter esse suporte me ajudou (e ainda ajuda) a entender conceitos agrícolas de bases sustentáveis e a ter uma melhor gestão dos custos. Mas, o que mais me encanta de fazer parte desse grupo é ver como a agricultura pode ser instrumento de transformação na vida de muitas pessoas. Entre elas, dezenas de famílias que vivem na Fazenda da Barra – Assentamento Mário Lago, em Ribeirão Preto.

De lá, saem produtos orgânicos que vão alimentar crianças por meio da merenda escolar e outras famílias. Os produtores atendidos pelo Agro-família comercializam seus produtos por meio de delivery de cestas orgânicas, para restaurantes, em feiras livres e vendas governamentais para merenda em escolas públicas da região.

“O projeto estimula o empreendedorismo e ajuda a identificar oportunidades de negócios com o objetivo de gerar renda para produtor rural. Se ele consegue ter renda, ele consegue desenvolver os outros atributos para uma boa gestão da propriedade rural, que envolve uma produção de qualidade, planejamento de plantio e gestão financeira”, explica Flaviane Araújo, consultora do Sebrae de Ribeirão Preto e uma das coordenadoras do Agro-família.    

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou faça uma DOAÇÃO

 

 

 

projeto agro familia 1 papo reto 3 768x576Projeto garante escoamento da colheita do Assentamento Mário Lago, em SP

Um exemplo de mudança de vida é a história do casal Maria Cristina da Silva e Everaldo Luis de Castro. Ela trabalhava como faxineira e ele como pedreiro. Hoje, eles possuem certificação orgânica e, além de produzir hortaliças, distribuem cestas orgânicas. Para aumentar a oferta e a variedade de produtos, compram a produção de colegas do assentamento para compor as cestas, formando uma cadeia de prosperidade. “O Sebrae que ajudou a conseguir a maioria dos meus clientes e, com a pandemia, as vendas aumentaram 100%”, conta Maria Cristina.

No assentamento, há muitas outras histórias como a de Maria Cristina. Histórias de vida que foram transformadas pela oportunidade de cultivar alimento.

“O Sebrae acaba sendo um agente facilitador entre o produtor rural e o mercado local”, afirma Flaviane Araújo. É uma relação em que todos ganham. Ganham os produtores que conseguem viver da sua produção e ganha o consumidor, que compra produtos orgânicos frescos com preços mais acessíveis que os praticados pelos mercados.

 

 

Milena Miziara
Author: Milena Miziara
Sobre o/a Autor(a)
Milena Miziara é jornalista. Desde 2019 também atua como sócia-fundadora da marca de frutas Laverani Orgânicos (SP)
Mais artigos