US$ 2,97 trilhões em perdas com as mudanças climáticas

US$ 2,97 trilhões em perdas com as mudanças climáticas

summit

O secretário-geral da ONU, António Guterres, ressaltou durante a Quinta Sessão Temática Especial das Nações Unidas sobre Água e Desastres, na sexta-feira (25), a importância da criação de um mundo mais resistente aos desastres, que só aumentam.

A crise climática global está “exacerbando e intensificando” os desastres relacionados à água, colocando vidas e meios de subsistência em risco, disse o chefe da ONU.

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou faça uma DOAÇÃO

 

“Durante décadas, os desastres naturais têm sido uma das principais causas do agravamento da pobreza, forçando cerca de 26 milhões de pessoas à pobreza a cada ano e revertendo os ganhos de desenvolvimento. Eles quase sempre estão ligados à água, seja por meio de enchentes, tempestades, secas, tsunamis e deslizamentos de terra”, disse o secretário-geral, António Guterres, à Quinta Sessão Temática Especial da ONU sobre Água e Desastres.  

Tendências perigosas - Nas últimas duas décadas, os desastres relacionados ao clima quase dobraram em comparação com os vinte anos anteriores, afetando mais de quatro bilhões de pessoas, de acordo com o alto funcionário da ONU. Esses desastres ceifaram a vida de milhões e resultaram em mais de US$ 2,97 trilhões em perdas econômicas, disse ele.  

As mudanças climáticas estão alterando os padrões de chuva, afetando a disponibilidade de água, prolongando os períodos de seca e calor e aumentando a intensidade dos ciclones, que podem levar a eventos de inundações terríveis.  

“Estas tendências criam enormes desafios para os nossos esforços para construir comunidades e sociedades mais sustentáveis ​​e resilientes através da implementação da  Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”, disse o chefe da ONU, alertando que irão acelerar ao longo da  Década da Ação.  

E até 2030, as projeções sugerem um salto surpreendente de 50% nas necessidades humanitárias decorrentes de desastres relacionados ao clima.  

Compromissos de aumento - Limitar o aquecimento global a 1,5ºC por meio de Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) — planos nacionais que demonstram compromisso com uma ação climática cada vez mais ambiciosa — é crucial para atingir uma queda de 45% nas emissões até 2030 e chegar a neutralidade de carbono em 2050. No entanto, “estamos longe de cumprir essas metas”, disse Guterres. 

US 297 trilhoes em perdas com as mudancas climaticas 1 papo retoPaíses mais vulneráveis afetados - Ao mesmo tempo, os países que são mais afetados pelas mudanças climáticas não têm espaço fiscal para investir em adaptação e resiliência. “No ano passado, ciclones atingiram as costas de muitos países que já enfrentavam graves crises de liquidez e endividamento, agravados pela pandemia da COVID-19”, disse o chefe da ONU. 

Destacando que “a adaptação não pode ser a peça esquecida da equação climática”, ele tem defendido que as nações ricas mobilizem 100 bilhões de dólares anualmente para ajudar os países em desenvolvimento e pedindo 50% do financiamento climático para ser usado na construção de resiliência e adaptação. 

Recuperação - A prevenção e a preparação são essenciais para responder e se recuperar da pandemia da COVID-19.  Isso significa investir na resiliência, enfrentar os desafios da gestão da água e fornecer serviços de água e saneamento a todos, de acordo com o secretário-geral. 

“A pandemia da COVID-19 foi causada pelo tipo de perigo biológico previsto no  Quadro de Sendai para a Redução do Risco de Desastres, que enfatiza a abordagem de múltiplos perigos e riscos interconectados”, lembrou ele, instando todos a “aplicar essa lente” à formulação de políticas sobre redução do risco de desastres, recuperação da COVID e adaptação climática.  As medidas de recuperação devem preservar o meio ambiente, os ecossistemas e a biodiversidade, ao mesmo tempo em que revertem os danos já causados.    

Investimento no futuro - “Investir em infraestrutura resiliente é um investimento no futuro”, disse o chefe da ONU. Embora mais de 100 estados tenham uma estratégia de redução de risco de desastres, pelo menos parcialmente alinhada com a Estrutura de Sendai, dezenas ainda não assinaram. 

Observando que a “cada dólar investido para tornar a infraestrutura resiliente a desastres, se economiza 4 dólares na reconstrução”, ele instou aos países e governos locais que acelerem a implementação. No encerramento, o secretário-geral lembrou que os desastres inviabilizam os  Objetivos de Desenvolvimento Sustentável  (ODS), Sendai e o Acordo de Paris.  

Descrevendo a ONU como um “parceiro constante no combate às questões de água e desastres”, ele apontou a Década da Ação e a Conferência da Água de 2023   como oportunidades para transformar a gestão da água e alcançar os ODS relacionados à água. 

 

*Reportagem publicada no site da Onu Brasil. Leia o original aqui.